Blog

03 nov

Novembro Azul: um alerta para o diagnóstico do câncer de próstata

 

Todo mês de novembro é dedicado à luta contra o câncer de próstata. Denominada Novembro Azul, a campanha chama atenção para a prevenção da doença que causa mais de 15 mil mortes ao ano no Brasil. No mesmo período, mais de 65,8 mil novos casos surgem entre homens de todo o país, segundo levantamento do Instituto Nacional de Câncer (INCA). 

A próstata é uma glândula presente apenas no organismo masculino. É um órgão que fica na parte baixa do abdômen e no fim do intestino grosso. Sua função é produzir parte do sêmen, líquido que contém os espermatozóides liberado durante o ato sexual. 

O câncer de próstata atinge, na maioria, homens com idade acima de 65 anos, que compreendem 75% dos casos. É conhecido por ser uma doença silenciosa, por isso, a necessidade de debater a prevenção e o diagnóstico precoce se tornam tão importantes. 

De acordo com o Ministério da Saúde, sete em cada dez homens buscam atendimento médico apenas quando pressionados pela mulher e os filhos. A ausência deles nos consultórios médicos não só dificulta as chances de cura do câncer de próstata, mas também a prevenção de outras doenças, como obesidade, diabetes e pressão alta. As doenças no aparelho circulatório e as neoplasias (tumores) são responsáveis por 40% das mortes entre os homens, sendo que, a cada três óbitos no Brasil, dois são de pessoas do sexo masculino.

Preconceito dificulta diagnóstico precoce

O preconceito também é um entrave no combate do câncer de próstata, que apenas pode ser tratado com chances de cura se detectado na fase inicial. Atualmente, dois exames podem ser feitos assim que há suspeita da doença. Pela amostra do sangue é possível identificar o Antígeno Prostático Específico (PSA), um indicativo do câncer de próstata. O outro exame é o toque retal, que pode ser realizado no consultório do médico urologista. Em cerca de 20% dos casos, apenas esse teste confirma o diagnóstico. Nesse caso, o profissional consegue perceber com o dedo a presença de caroços na próstata por meio do toque. É um teste indolor e rápido, mas muitos homens revelam ter resistência em fazer o exame. A realização dos dois procedimentos, no entanto, garante em cerca de 90% dos casos o diagnóstico precoce desse tipo de câncer. 

O INCA recomenda que os testes sejam feitos quando os pacientes apresentam os seguintes sintomas: dificuldade ao urinar, redução do jato de urina, necessidade de urinar com frequência e presença de sangue na urina. Por isso, é importante estar atento a esses sinais. 

Outros fatores de risco são o histórico de câncer de próstata na família (pai, irmão ou tio) e obesidade. O Ministério da Saúde chama atenção para o fato de que a doença tem maior incidência entre homens negros. Confira mais informações na diretrizes da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, publicada pelo Ministério da Saúde.