Blog

22 jan

Infarto: você sabia que os sinais são diferentes em homens e mulheres?

 

As doenças cardiovasculares possui altas taxas de incidência e mortalidade no Brasil e no mundo, vindo a ser considerada um grave problema de saúde pública. Entre elas está o infarto agudo do miocárdio – ou, simplesmente, infarto.

O infarto é o próprio ataque cardíaco. Ele ocorre quando o fluxo sanguíneo que vai para o coração é bloqueado de alguma forma (por um coágulo ou placa de gordura, por exemplo), fazendo com que o órgão deixe de receber oxigênio. Sem oxigênio, ele para de funcionar por determinado período, o que pode ocasionar a morte ou algum dano irreversível a ele.

Entre os principais motivos que acabam levando o infarto à morte está a demora em procurar ajuda devido à dificuldade de identificação dos sintomas. O fato é que, nem sempre, eles são os mesmos para todo mundo. 

Sabe-se que o infarto é marcado por uma dor intensa no peito que se estende até o braço esquerdo. Essa é a regra. Mas a verdade é que os sintomas podem ser muito diferentes em cada pessoa, principalmente se levar em conta o gênero. Homens e mulheres podem ter sensações muito diversas e isso pode acabar confundindo, se não houver conhecimento e um diagnóstico precoce. Afinal, não por acaso, os números mostram que o infarto faz mais vítimas mulheres do que homens. 

Neste post vamos mostrar quais são essas diferenças.

Sintomas mais comuns nos homens 

Nos homens, o infarto costuma ser percebido de forma mais rápida porque, em geral, não foge da clássica dor no peito, que costuma ser lancinante. 

Em geral, eles sentem uma espécie de aperto ou pressão na região do coração e que se irradia para o braço, o maxilar ou o estômago. 

Além disso, tonturas, desmaios e suor frio (suar sem estar sentindo calor) também podem acontecer.

Sintomas mais comuns nas mulheres

Diferentemente do homem, a mulher nem sempre tem a clássica dor no peito. Nelas, o infarto costuma ser silencioso e vem disfarçado de sintomas mais leves, o que atrapalha a identificação. 

Elas sentem, por exemplo:

  • enjoo, náuseas, vômitos e mal-estar;
  • falta de ar ou dificuldade para respirar;
  • batimentos cardíacos irregulares;
  • cansaço incomum e sem causa aparente;
  • suor excessivo;
  • dor ou desconforto nas costas, no abdômen, nos ombros, na região do queixo e na garganta, como se estivesse com algo preso.

Além disso, tais sintomas podem surgir sem qualquer esforço físico ou trauma emocional e podem começar quando a mulher está sentada e em repouso. Tudo isso faz com que, muitas vezes, ela acabe confundindo com um problema corriqueiro, como uma gripe chegando ou uma má-digestão, por exemplo.

Por que os sintomas de infarto são diferentes entre homens e mulheres

Há uma explicação muito simples para a diversidade dos sintomas percebidos entre homens e mulheres: a fisiologia do coração de cada um, que possui diferenças anatômicas e funcionais entre si. 

O coração da mulher, por exemplo, é cerca de dois terços menor do que o do homem. Mesmo assim, o órgão feminino bate até 10% mais rápido que o masculino, o que gera maior desgaste.

Além disso, as mulheres também têm artérias coronárias mais finas e maior tendência a sofrer com bloqueios não apenas nas artérias principais, mas também nas menores, que fornecem sangue ao coração (condição chamada “doença cardíaca de pequenos vasos” ou “doença microvascular coronária”). 

De qualquer forma, é sempre importante ficar de olho nos sintomas, pois eles podem variar de pessoa para pessoa, independente de ser homem ou mulher. Fazer um acompanhamento médico pode aumentar as chances de um diagnóstico precoce e, até mesmo, evitar problemas mais graves.